Singing in the Brain: When Melody and Words Come Together

Ana Isabel Pereira, Helena Rodrigues

Resumo


Nas últimas décadas, o estudo do binómio música e linguagem tem suscitado interesse em vários ramos das ciências cognitivas, incluindo a psicologia, linguística, antropologia, musicologia, neurociência cognitiva e educação. Indubitavelmente, as canções são o material de eleição para estudar a relação entre música e linguagem. Este artigo explora contribuições das neurociências que podem ser consideradas interessantes para o campo da educação musical, especialmente no que respeita a relação da melodia e palavras em canções. A influência destas componentes na perceção e performance vocal de canções é ainda uma questão em debate tanto na área das neurociências como da educação musical. A fim de se estabelecer um pano de fundo para esta discussão, são apresentadas, resumidamente, as semelhanças evolutivas entre música e linguagem, bem como os mecanismos partilhados de aprendizagem para ambos os domínios, conforme ilustrado por vários estudos. Uma vez que o pitch e o ritmo são componentes importantes das canções, é ainda abordada a pesquisa comparativa de ambos os elementos no cruzamento da música e linguagem. Nesta interseção, é dado um enfoque especial à Teoria de Aprendizagem Musical, proposta por Edwin Gordon, em que se defende o uso de canções apresentadas tanto com texto como com sílaba neutra desde a infância. Considerando que as canções são um dos recursos mais utilizados na educação musical, questiona-se se os avanços científicos nas neurociências podem informar a pedagogia musical. Novos caminhos de investigação são sugeridos na interseção das duas disciplinas.


Texto Completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2021 Revista Portuguesa de Musicologia

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.