Postmodern Thought and the History of Music: Some lntersections

Reinhard Strohm

Resumo


Este ensaio aborda a questão de saber o que é que a historiografia musical poderá aprender do discurso pós-moderno à medida que ele se desenvolve à nossa volta. As implicações historiográficas gerais do conceito «pós-modernismo», enquanto melhoria e progresso em relação ao «modernismo», parecem contradizer a sua própria mensagem de incredulidade face às meta-narrativas progressistas. E feita uma comparação entre a atitude negativa em relação ao passado medieval que encontramos no humanismo renascentista («retrospecção dividida») e os discursos pós­modernos que aplicam a mesma óptica aos últimos 200-250 anos da cultura ocidental. Algumas narrativas pós-modernas àcerca da música são investigadas: o anti­modernismo, o movimento da Música Antiga e Barroca, a recepção da ópera pré­clássica, e os debates acerca do conceito de obra, da autonomia e da autoria. O artigo aponta para o perigo que existe no facto de a definição que Lyotard faz do pós­modernismo como «incredulidade em relação às meta-narrativas», e o resultante aliviar de tensões, estarem a ser sacrificados a uma nova meta-narrativa que aplica uma retrospecção dividida, separando o passado modernista que se rejeita de um salto ou «maré de mudança» «só recentemente» atingido nos estudos culturais.


Texto Completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2018 Revista Portuguesa de Musicologia

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.