A introdução e a recepção da ópera cómica nos teatros públicos de Lisboa entre 1841 e 1851

Isabel Gonçalves

Resumo


No espaço de dez anos, desde a sua introdução em versão traduzida nos teatros públicos de Lisboa, até à sua plena absorção no sistema de produção e consumo, a ópera cómica teve um impacto que se repercutiu em todos os sectores da praxis musico-teatral, dos empresários teatrais aos compositores até à imprensa e ao público. Rejeitada por uns como género de entretenimento francês, contrário aos princípios setembristas de afirmação nacional e de esclarecimento; aceite por outros como um género passível de autonomização no contexto português, a ópera cómica cedo foi adoptada por compositores nacionais, permitindo a um público mais abrangente que o do Teatro de São Carlos o acesso a óperas em português. A forma como a imprensa interpretou as sucessivas incursões neste género musico­teatral é analisada neste artigo, permitindo diagnosticar já na década de quarenta uma série de temáticas que iriam dominar os discursos sobre a música ao longo da segunda metade do século XIX, desde a crítica ao predomínio da ópera italiana à reivindicação de um nacionalismo musical.


Texto Completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2018 Revista Portuguesa de Musicologia

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.



This site is jointly supported and published by the Portuguese Society for Music Research (SPIM), the Institute of Ethnomusicology–Centre for Studies in Music and Dance (INET-MD) and the Centre for the Study of Sociology and Aesthetics of Music (CESEM). INET-MD and CESEM are both based at the FCSH, Universidade Nova de Lisboa, Portugal, and funded by the FCT-Portuguese Foundation for Science and Technology.