A constituição da Banda Real na Corte Joanina (1721-24)

Gerhard Doderer

Resumo


Ao lado da Capela Real Portuguesa, constituída por músicos e cantores italianos existiu, a partir de 1724, um corpo de trompeteiros e timbaleiros que o próprio rei mandou criar em 1721. Durante quase três anos desenrolou-se um complexo processo de procura, selecção e contratação de um corpo de músicos, quase exclusivamente alemães, capazes de garantir, em termos musicais, o papel da ostentação do poder real sempre que este se manifestou em público aquando da presença de membros da família real fora dos muros do Palácio da Ribeira. Para além do enredo diplomático e do processo da contratação torna-se particularmente interessante examinar o equipamento e o instrumentário que a casa real fez vir juntamente com os próprios músicos. Ao contrário do que se pensava até agora, tudo indica que os célebres 24 trompetes de prata dos trompeteiros de D. José I já tinham vindo para Lisboa na bagagem dos músicos da Banda do Rei Magnânimo.


Texto Completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2018 Revista Portuguesa de Musicologia

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.



This site is jointly supported and published by the Portuguese Society for Music Research (SPIM), the Institute of Ethnomusicology–Centre for Studies in Music and Dance (INET-MD) and the Centre for the Study of Sociology and Aesthetics of Music (CESEM). INET-MD and CESEM are both based at the FCSH, Universidade Nova de Lisboa, Portugal, and funded by the FCT-Portuguese Foundation for Science and Technology.